Fibras de carbono: como são feitas e como ajudam a aviação?

Um dos principais motivos dos aviões terem ficado mais leves e econômicos, ao longo dos últimos anos, é o uso da fibra de carbono na composição da matéria-prima das aeronave.

Desde a década de 70, as matérias-primas para a composição de um avião vem sido substituídas, gradativamente, com muito êxito e segurança. Para se ter uma ideia, o uso de materiais compósitos e fibras pode reduzir em até 20% o peso de um avião. Além da leveza, essa matéria-prima também tem uma alta resistência comparada aos materiais usados anteriormente nos veículos aeroespaciais, como é o caso do alumínio, por exemplo.  

Além disso,  o material permite mais liberdade em novos projetos de design do avião, o que reforçam ainda mais o desempenho. Um exemplo é a criação de pontas das asas curvas que ajudou a reduzir o consumo de combustível em até 5%.

Fibras de carbono: como são?

Consideradas mais rígidas e de alta resistência, comparadas a outras fibras comerciais, as Fibras de Carbono da Diprofiber são produzidas a partir de fibras precursoras (PAN) e enriquecidas em carbono, após passarem por três etapas de produção. As Fibras de Carbono aliam a baixa densidade (1,8g/ cm³) com altas propriedades mecânicas, sendo usadas principalmente em aplicações alta performance.

Fibra de carbono da Diprofiber

Para o segmento aeronáutico, a Diprofiber oferece uma gama completa de materiais que variam de consumíveis para os processos de fabricação à vácuo, como também núcleos de espuma e honeycomb e painéis sanduíche (Linha Coreskin®) dos quais são empregados Além disso, conta com a linha de painéis Coreskin®, revestidos em fibra de vidro ou carbono para a fabricação de estruturas ferramentais de montagem das aeronaves (falso piso).